Blog · Livros · Opinião · Tecnologia

Vale a pena ter um Kindle?

Vale a pena ter um Kindle

Tive um Kindle Paperwhite por dois anos. Antes, eu tive um e-reader de fabricação nacional, que se quebrou sozinho em meses. Fiquei com uma péssima impressão sobre e-readers até me dar uma segunda chance e tentar o gadget da Amazon.

O Kindle é um excelente aparelho. A experiência da leitura com ele (velocidade e usabilidade) me surpreenderam e removeram aquela velha impressão.

Mas aqui não quero falar dos predicados do aparelho. Mas sim tecer um breve comentário e ajudar o leitor a saber se ele tem o perfil de quem poderia usar um Kindle.

Preço dos ebooks

O grande lance de um Kindle é poder tirar proveito da loja Amazon, integrada ao aparelho. É possível sim encontrar vários livros por bons preços. Porém, isso ocorre mais com best-sellers; se você não é um leitor desse tipo (autoajuda, ficção) talvez você não tire um bom proveito.

Raramente leio best-sellers. Lei livros fora dessa categoria, e daí o e-reader não me favorecia muito: era mais difícil encontrar os livros que eu desejava ler em versão ebook, e quando encontrava o preço era pouco vantajoso com relação ao livro físico.

Com o tempo, vi que cada vez mais comprava livros físicos, além de que eu tinha disposição de revendê-los, usados, no MercadoLivre. Daí o aparelho começou a perder protagonismo na minha cabeceira.

Volume de leitura

Você lê bastante? Tem necessidade de carregar uma biblioteca contigo em todo lugar que vai? Se sim, então o Kindle é uma boa pedida.

Caso contrário, se você for um leitor mais itinerante, talvez o Kindle não seja para você. Eu leio de dois a três livros por mês em algumas ocasiões. Em outras não leio nada. Ocorria de o Kindle ficar juntando poeira algumas vezes.

Experiência da leitura pode estranhar

Você é do tipo que gosta de uma estante cheia de livros? Se sim então esqueça o Kindle.

LEIA TAMBÉM  O mito do planejamento

Como escrevi aqui o Kindle traz uma boa experiência de leitura. Mas ainda não chega perto da experiência que se tem diante de um livro físico – que tem toda uma arte de capa, tipografia, material e textura. Livro físico é 3D, ebook é 2D.

O Kindle tem suporte à uma família de fontes limitada. Além disso é só preto-e-branco. O tamanho da página é sempre o mesmo. Se você era um fã da Cosac Naify que via o livro como uma obra de arte isso pode ser um drama.

Amarrado à Amazon

O Kindle é integrado à loja Amazon. Isso te dá acesso a um belo acervo, internacional e com bons preços.

Você baixa a amostra do livro e pode ver se te interessa ou não. Se você comprar e desistir pode pedir reembolso do valor integral. Isso é ótimo.

Porém a Amazon não é a única livraria do mundo. Pode ser que você encontre o mesmo ebook mais barato em outra loja. Sim, é possível enviar o arquivo digital para o Kindle. Mas é preciso ficar atento.


Estes são alguns tópicos que lembrei e aponto aqui brevemente.

O Kindle foi lançado há dez anos, e de lá para cá pouca coisa mudou. O livro físico continua firme – e acredito que continuaremos com ele por um longo tempo.

Mas vai de cada um. Se você é um:

  • Leitor voraz;
  • Viaja bastante;
  • Lê bastante best-sellers;
  • Gosta de experimentar novos gadgets;
  • Ou então os livros pesados estão incomodando na mochila, então

Recomendo a você tentar um Kindle.

Caso contrário, acho que a sua é continuar com os livros físicos mesmo. 🙂

Curtiu? Então aperte o botão:
Tagged: , , , ,