Blog · Game design · Games

Deixe-me jogar! Quando é que os games começaram a ficar complicados

Não sei se sou eu; se envelheci ou os jogos que não foram feitos para mim. Mas alguém poderia me explicar quando é que os games começaram a ficar complicados?

Esse post começou inspirado na minha experiência inicial com RUINER. Comprei na Steam com desconto. Fui atraído pelo visual e por ser de tiro – dois elementos que me atraem num jogo.

Então iniciei. Cara, o que era aquilo? Já se tinha passado uma meia-hora no jogo e eu ainda estava vendo tutoriais. Aperte E para tal coisa. Aperte SPACE para outra coisa. Morreu, começa de novo – e lá vem os mesmos tutoriais: se não avançar eles voltam.

Você tem que fazer um mini-curso para jogar um jogo.

Deixe-me jogar…

Jonathan Blow (Braid) e Phil Fish (FEZ), uma vez perguntados sobre o que achavam da indústria de games japonesa atual, responderam que a achavam ruim no geral. Blow apontou que todos os tutoriais e interfaces logo de início no jogo o aborreciam, e citou que nem sempre foi assim, com exemplos como Zelda (em que você era jogado num mundo e estava livre para aventurar-se nele). Vídeo abaixo (ative as legendas para ler em inglês).

Ele também apontou que tudo isso pareciam exercícios, e que até parecia um insulto fazer isso com o jogador. Um excesso de dirigismo que tiram todo o padrão da descoberta – e RUINER em grande parte é assim.

Outro fator que para mim é aborrecedor é o dinheirismo embutido em muitos games atuais. Quer evoluir no jogo? Compre o DLC X. Compre Y… Um fator de complicação que, para mim, estraga a diversão na maioria dos casos – quando não estraga a carteira do jogador também.

Games antigamente e hoje. Fonte: https://flamin-hot-dawg.deviantart.com/art/games-then-and-now-301722273
Games antigamente e hoje. Fonte: https://flamin-hot-dawg.deviantart.com/art/games-then-and-now-301722273

Meu ponto aqui não é fazer com que os game designers voltem a fazer jogos como há vinte anos atrás, quando os hardwares dos consoles tinham várias limitações. Eu admiro a qualidade gráfica dos games atuais. O capricho com o realismo é admirável, e a música, embora eu me aborreça com trilhas orquestrais cada vez mais parecidas com as de cinema, são bem feitas.

LEIA TAMBÉM  Mudando as coisas

Mas entendo que esse preciosismo de querer dirigir o jogador àquilo que ele deve fazer é simplesmente maçante. Se o jogo tem vários comandos e recursos, porque não apresentar isso de forma gradativa, como faz os jogos da série FIFA, em que antes das partidas é apresentado um desafio para mostrar o que dá para fazer com o jogador, como gols de voleio?

É filme ou game?

Outro elemento que para mim é aborrecedor é o game que tenta ser filme. Tem um Battlefield que comprei na promoção que é assim: Você começa a jogar, correria e tiro para tudo o que é lado, legal, bacana, até que de repente entra o teatro no meio da coisa. Os personagens começam a conversar, é mostrado o cenário… e a ação esfria.

Acho que devo ter jogado só uma hora. Está lá na minha biblioteca Origin, parado desde então.

Cara, eu quero jogar! Filme é filme, game é game. Keep it simple, stupid. Por que não fazer como o Counter Strike: GO, por exemplo?

É nessas horas que saúdo o movimento indie. Em que a criatividade e a paixão dos desenvolvedores é o que mais importa. É o game como artesanato. Como bem explica Nassim Nicholas Taleb em “Antifrágil“, se um produto precisa excessivamente de marketing (como os refrigerantes, para tomar o exemplo dele no livro) é porque o produto é simplesmente ruim. Qualquer semelhança com a indústria de games é mera coincidência.

 


Créditos pela imagem de destaque do post: https://ricardo73.deviantart.com/art/Comic-Games-then-and-now-389286450

Curtiu? Então aperte o botão: