Dicas & Tutoriais · Padrões Web

Editores de texto em JavaScript/HTML para uso no seu site

Editor de Texto em JavaScriptNesta postagem rápida falarei de editores de texto feitos em JavaScript de código aberto, para uso em sites, blogs, entre outros.

A maioria funciona de modos parecidos: basta você adicionar uma área de texto em HTML (<textarea></textarea>), ligar o arquivo JavaScript da biblioteca – podendo definir algumas características – e pronto.

Via Google são fáceis de encontrar, mas aqui vou aproveitar para falar a respeito de dois deles com quem já lidei: o TinyMCE e o NicEdit.

TinyMCE – provavelmente o mais popular, utilizado inclusive pelo WordPress, Joomla, entre outros. Talvez seja o que conheça melhor, não por ter usado em algum trabalho, mas por curiosidade (fucei sua documentação e experimentei criar plugin, entre outros). Gostei muito: bem completo, integrado com jQuery (permite usar código desta biblioteca sem grande conflito), fácil de usar, boa documentação, entre outros.

CKEditor – nunca usei, mas parece ser tão bom quanto o TinyMCE. A barra de ferramentas é bem completa, a interface é linda, além de já vir com versão em português. Só tenho dúvidas com relação à documentação: procurei e não encontrei. Além de tudo, ao que parece, vários recursos são pagos (?). Enfim, vale ficar de olho.

NicEdit – já usei este, na seção de comentários deste blog, até um tempo atrás. Retirei ele por “comer” as quebras de linha (as tags <br /> – o texto do comentarista ficava todo colado). Acho-o muito limitado, mas talvez seja o mais simples de se integrar. Para quem não quer lidar com muito código, talvez seja a melhor solução.

Enfim, acredito que podemos resumir assim: caso queira um editor completo e precise personalizá-lo, o TinyMCE é para você. Se você quer um editor bonitão, vá de CKEditor. Agora, se você não entende muito de Javascript nem de HTML, experimente o NicEdit.

E este é o fim da postagem. E caso queira sair, aperte o botão de “Fechar” do seu navegador! 😀

Software

Scribus – impressões a respeito do programa de editoração opensource

Depois de uma postagem dedicada ao Gimp, vou descrever as impressões que tive a respeito de outro software código aberto, porém voltado a editoração eletrônica de documentos e bem menos popular: o Scribus.

Logo Scribus

Podemos dizer que o Scribus é um equivalente gratuito de programas como Adobe Indesign. Experimentei ele hoje, montando uma apostila de algumas páginas, usando fotos e texto. Tudo muito simples.

De início, me pareceu muito simples. Apesar de me bater com vários menus e janelas, para conseguir encontrar os recursos para formatações de imagens e textos, por exemplo, consegui me entender com o negócio. Ele se entende com vários formatos, incluindo SVG, Photoshop, EPS e HTML, e exporta arquivos em PDF, entre outros.

No entanto, percebi alguns bugs. Numa ocasião, o programa fechou sozinho devido a um erro no sistema. Em outra, a janela para seleção de imagem empacava. Mas enfim, nada que destrua a reputação do programa. Afinal, o Corel Draw, muito mais conceituado e pago, também tem seus problemas, como satirizado no funk abaixo, que rodou no Twitter semana passada:

Software

Gimp – impressões sobre o editor de imagens n.º 1 do Linux

Andei experimentando o Gimp 2.6 no Ubuntu Linux. Sou bem “noob” nos dois quesitos. Minha praia, afinal, é Photoshop no Windows (e olhe lá…). Mas, como sou entusiasta de software livre – uma das minhas esquisitices -, não resisti em testar.

Aí segue algumas opiniões a respeito do negócio, enquanto tentava bolar um desenho nele (notas de 1 até 3):

  • Interface: é razoavelmente diferente da do Photoshop. As abas ficam um tanto encavaladas no ambiente. Para isso existe o Gimpshop, que oferece um Gimp com cara de Photoshop. No entanto, não consegui rodá-lo no Ubuntu. Enfim, é uma questão de se acostumar. 
  • Ferramentas: senti falta das ferramentas de desenho do PS. Para desenhar um retângulo precisei usar ferramentas de seleção (é assim?!). Também tive dificuldade para lidar com gradientes. 
  • Partes separadas: um plugin de efeito travou. O Ubuntu ofereceu duas alternativas: ou forçar sair (fechar com tudo a janela do plugin) ou esperar o processamento. Ao forçar a saída não perdi o trabalho: apenas a parte referente ao plugin fechou.
  • Filtros / Efeitos: grande quantidade e são muito bons. Ainda não experimentei nem 50%, mas pelo visto supera os do PS.
  • Sistema: muito leve. Dispensa uma super-máquina. No entanto alguns plugins demandam um processamento grande.

Há outras característas boas e outras ruins, ao meu ver. Porém, “malhar” o programa demais é injustiço, visto que se trata de um opensource de uso gratuito. Acredito que se trata de uma boa solução para o caso de alternativas aos programas proprietários.

Mídia · Opinião

Porque se gasta tanto dinheiro com isso?

Sim, eu sei: estamos em época de Copa do Mundo. As atenções estão voltadas para a televisão e para os jogos decisivos. Não à toa, os anunciantes estão descendo o caminhão de dinheiro. Todos querem que suas propagandas – e suas marcas – sejam vistas pelo público.

Mas frequentemente fico encucado e me pergunto: qual a razão de se investir tão pouco em propaganda online?

Lembro que, no tempo que eu lidava com propaganda (cursava comunicação), a Web detinha uma das menores fatias dos investimentos em publicidade (atrás da TV por assinatura, inclusive, e bem atrás de TV aberta, rádio, jornais, revistas e mídia externa). E ainda se investe pouco, o que é de se estranhar, haja vista que já é um dos veículos com grande penetração na sociedade.

Claro, talvez nunca se investirá em propaganda na Web como se investe em TV. Mas acho uma pena, pois eu, que tenho apenas TV aberta, confiro um conteúdo péssimo, e sou obrigado a me refugiar muitas vezes à Web em busca de conteúdo de qualidade. Conteúdo esse feito com uma certa, digamos, “valentia”: sem dinheiro, de maneira muitas vezes descontraída até, mas excelente.

Talvez seja uma opinião tendenciosa minha, visto que trampo com (ou tento viver de…) Web.

Mas ver um blog bacana fechar, e assistir programas de quinta na TV contando com fortunas, dá um gosto de injustiça.

–X–

Com este post pretendo inaugurar a série de postagens mais “pessoais” (sem aqueles tutoriais e dicas sobre Web como os anteriores). Ainda vou ver onde arranjar espaço para blogar essas coisas. Mas enfim, por enquanto é isso.

Blog

Ideias gerais & Projeto novo

Esta semana não terá um post novo e mais decente do que este texto.

Como não tive uma ideia bacana sobre um novo assunto, devido ao tempo que tenho dedicado a freelas (depois de um tempo na “geladeira”, voltei a trabalhar com sites), fica este aviso.

Aliás, ultimamente, tenho perdido muito o interesse em escrever sobre algo aqui. No entanto, tenho pensado seriamente em montar um blog/site para conter apenas tutoriais, dicas e postagens sobre Web – e deixar este canto dedicado a apenas uma coisa: um abrigo para portfólio e textos sobre assuntos gerais.

Bem, é isso, por enquanto. 🙂