Brasil · Político

Que Brasil o Brasil quer ser?

Essa é a primeira eleição geral depois dos protestos de 2013-2016.

Naquelas manifestações, que reuniram milhões de pessoas, havia um fator unificante: o repúdio da população à corrupção, à má administração e à classe política de uma maneira geral, com raras exceções.

Lembro de ter ido à Avenida Paulista em duas manifestações, em 2015. À despeito desse sentimento de revolta difuso no ar, me chamava a atenção as diferenças entre algumas solicitações dos manifestantes.

Eu me recordo de ter visto cartazes de todos os tipos. Os mais visíveis eram de apoio à Operação Lava-Jato, ao juiz Sérgio Moro e pedidos de impeachment da Dilma. Porém, haviam de outros tons: lembro de pessoas pedindo privatizações, e de outros – um grupo pequeno, diga-se -, pedindo intervenção militar. Cartazes contra o Foro de São Paulo e contra o comunismo também se faziam presentes, ao lado de outros contra ideologia de gênero, “Olavo tem razão”, entre outros.

Impressão 3D · Linux

Corrigindo arquivos GCODE no Linux gerados a partir do Repetier Host

Recentemente adquiri uma impressora 3D. Usando modelos 3D e usando o programa Repetier Host no Windows não tive problemas para gerar o arquivo gcode usado por estas impressoras.

No entanto, usando o mesmo Repetier Host no Linux, na mesma versão, o gcode é gerado de maneira diferente. E daí a impressora não consegue decodificar o arquivo – consequentemente não realizando a impressão.

Blog · Marketing · Tecnologia · Web

Meus ganhos com o blog, um ano depois…

Eu praticamente reativei as postagens aqui no blog há cerca de um ano.

Desde então, passei a adotar uma postura itinerante nos tipos de posts. Tudo com fins de experimentação. Alguns posts técnicos, outros opinativos… Passei a experimentar também esses sistemas de monetização, dois especificamente:  marketing de afiliados e AdSense.

Negócios · Tecnologia

Vale a pena ter uma impressora 3D?

As impressoras 3D estão cada vez mais acessíveis ao brasileiro médio, na medida em que surgem fabricantes de variados modelos com preços competitivos.

Recentemente comprei uma Stella 2. Tomei coragem, um ano após ter feito um workshop sobre o tema no Garagem Fab Lab. Minhas primeiras incursões em modelagem 3D no computador datam de 2004, quando estudei o Blender.

Projetos

CitZilla encerrado

Ontem encerrei o projeto CitZilla, que havia iniciado meses atrás.

A bem da verdade é que o projeto já nasceu velho. Eu continuei ele meio que por questão de honra – dispendi 99% do tempo no desenvolvimento do CMS. Mas foquei errado. Deveria ter focado na ideia, testado primeiro, e não desenvolver algo do zero.

É claro que o saldo não é de todo negativo: aprendi coisas novas (framework Phalcon, banco de dados MongoDB). Também vi como utilizar webscraping para obter conteúdo da internet; eu usava scripts escritos em Python a fim de obter dados da internet e assim atualizar o site de maneira automatizada.

Estou concentrado em outras iniciativas, mas fica aqui o registro só para efeito de lembrança.

Blog · Dicas & Tutoriais · Linux · Windows

Executando o Windows dentro do Linux, em 3 passos e usando VirtualBox

Cansado de vírus, updates problemáticos, licenças caras, entre outros, você chutou o Windows em favor do Linux. No entanto, você precisa declarar o seu imposto de renda, e para rodar os programas da Receita se torna um batalha: nada instala direito, Java dá problema…

Ou então você lembrou que tinha um programa específico para fazer determinada coisa, mas ele só tem para Windows. Ferrou.

Nestas situações, usuários Linux que não tem um conhecimento muito avançado no sistema tendem logo a desistir e voltar para o velho Windows. Mal sabem que podem virtualizar o sistema da Microsoft no Linux, como se estivessem rodando, um dentro do outro. O Windows roda como um outro programa qualquer. Sem precisar de partições, instalar novo sistema, nada.

Esse post pretende ajudar a usuários não tão avançados do Linux a rodar uma versão do Windows, de maneira gratuita, sem incorrer em crime de pirataria, sem cracks, nem nada.

Brasil · Livros

5 livros para entender por que o Brasil está na merda em que está

Sim, o Brasil está na merda total. Não é novidade para ninguém.

Mas, mais do que ficar reclamando, é preciso saber como chegamos até aqui, e como é possível sair desse buraco.

Para isso, como usuário de internet há mais de dez anos, recomendo logo de princípio: esqueça os blogs, as páginas de Facebook e demais redes sociais. No geral, são antros de desinformação e fanatismo. E isso não vai ajudar: precisamos de mais luz e menos calor.

O jeito é ler. E felizmente, de uns anos para cá, surgiu uma nova leva de autores, que pensam fora da caixa – sim, a tradicional caixa, a “Matrix” esquerdista da academia e jornalismo tupiniquins. Aqui nessa postagem vou listar alguns livros que li nos últimos anos, que ajudam a entender os problemas atuais e ver que, apesar de tudo, muitos problemas têm solução. Vamos lá, então:

Blog · Dicas & Tutoriais · Trabalho

Furando o bloqueio criativo: as estratégias oblíquas

Quem trabalha em algum tipo de profissão que envolva (alguma) criatividade – jornalistas, programadores, artesãos, músicos, etc. – com certeza já se deparou com uma situação em que você se sente num beco sem saída, em que as coisas simplesmente não fluem. Há um problema e é difícil de se encontrar uma solução; ou a solução não é ainda satisfatória.

No início dos anos 70 o músico e produtor inglês Brian Eno criou, juntamente com o artista Peter Schmidt, as “estratégias oblíquas”.

Blog · Web

Abandonando as redes sociais…

Quanto tempo você perdeu nas redes sociais?


Há pouco desativei meu Facebook. E não pretendo voltar mais lá. Das que usei, era a última rede em que eu estava; outrora havia excluído Twitter. LinkedIn é só para uso profissional, mesmo. Instagram nunca fui assíduo mesmo e a conta está lá, abandonada; Snapchat e outras, nunca usei.

Perdi muito tempo nesses sites. Pior é que devo ter criado, em torno de mim, uma imagem péssima. Não só eu, mas amigos também. Muitos deles, ainda presos por lá. Obcecados em ter/parecer ter razão.

Agile · Desenvolvimento · Startups · Trabalho

Abandonando o Agile

Tradução livre de artigo escrito por Aaron Lazar no blog da Packt: https://hub.packtpub.com/abandoning-agile/

AVISO: o conteúdo do artigo não reflete necessariamente a minha opinião.


“Nós somos ‘Agile'”.

Esse é o tipo de frase que eu esperaria de um time de futebol, uma trupe de dançarinos de balé ou talvez de um artista marcial. Toda vez que ouço isso vindo da boca de um profissional de software, eu digo: “Ah cara, de novo não!”. Então aqui estou eu para falar sobre algo que pode tocar um nervo ou dois de um fã de metodologias ágeis. Eu estou falando se você deveria abandonar o Agile de uma vez por todas!

Blog · Desenvolvimento · Tecnologia · Trabalho · Web

O desenvolvimento Web está morrendo?

Tradução livre de artigo escrito por Richard Gall e publicado em:
https://hub.packtpub.com/is-web-development-dying/


Não é difícil encontrar pessoas perguntando se o desenvolvimento da web está morrendo. Uma pesquisa rápida gera perguntas no Quora, no Reddit e em outros fóruns. “O desenvolvimento web é uma profissão agonizante ou só tem um cheiro engraçado?”, pergunta um usuário do Reddit. Os suspeitos usuais no mundo do conteúdo (Forbes et al) responderam com seus próprios takes e pensam sobre se o desenvolvimento da web está morto. E por que eles, e não eu, por exemplo, nunca perderia a oportunidade de escrever algo com uma manchete estranha e provocativa de cliques. Então, o desenvolvimento web está morrendo ou simplesmente muito mal?

Blog · Linux · Unity

Integrando Visual Studio Code com Unity – no Linux

(E diga adeus ao Monodevelop.)


Eu sou um usuário Linux atualmente. E também da game engine Unity, já relatando aqui problemas que tive usando a Monodevelop no Linux.

Porém desencanei. Vi que a integração da Unity com o editor Visual Studio Code tende a ser mais eficiente (e feliz) hoje. Para começar, é bem mais fácil para integrar o debugger.

Muita gente (como eu até pouco tempo) ficava com um pé atrás de usar o VS Code por pensar que ele era apenas editor de código, e não uma IDE. Porém, com um alguns plugins (no caso específico, plugins para Unity e C#) é possível ter uma ótima experiência, com direito a depuração e autocompletion de código.