A web da qual sinto falta

Sinto saudades da Web dos sites novos, dos blogs e wikis. A Web, hoje, estranhamente se reduziu a um parque de diversões em que acessamos só uns cinco sites.

Estou para escrever este post há cerca de um mês, inspirado neste texto ótimo do Gizmodo, em que o autor explicita os descaminhos que a Web tomou (se não quiser ler todo o texto comece a partir da parte “De volta para o futuro”). Continue lendo “A web da qual sinto falta”

O fim dos “games bobos”?

Costumo ser visitante habitual de sites de games casuais, em especial do ArmorGames (famoso e meu favorito, e que, na minha opinião, tem os melhores jogos), do Kongregate e Miniclip (mais conhecidos). Não necessariamente para jogar – aliás, isso é o que menos estou fazendo por falta de tempo, o que não é desculpa, pois para alguém que deseja viver do desenvolvimento de games e leva isso à sério precisa experimentar e conhecer novos gêneros, experiências e outros. Continue lendo “O fim dos “games bobos”?”

Gimp – impressões sobre o editor de imagens n.º 1 do Linux

Andei experimentando o Gimp 2.6 no Ubuntu Linux. Sou bem “noob” nos dois quesitos. Minha praia, afinal, é Photoshop no Windows (e olhe lá…). Mas, como sou entusiasta de software livre – uma das minhas esquisitices -, não resisti em testar.

Aí segue algumas opiniões a respeito do negócio, enquanto tentava bolar um desenho nele (notas de 1 até 3):

  • Interface: é razoavelmente diferente da do Photoshop. As abas ficam um tanto encavaladas no ambiente. Para isso existe o Gimpshop, que oferece um Gimp com cara de Photoshop. No entanto, não consegui rodá-lo no Ubuntu. Enfim, é uma questão de se acostumar. 
  • Ferramentas: senti falta das ferramentas de desenho do PS. Para desenhar um retângulo precisei usar ferramentas de seleção (é assim?!). Também tive dificuldade para lidar com gradientes. 
  • Partes separadas: um plugin de efeito travou. O Ubuntu ofereceu duas alternativas: ou forçar sair (fechar com tudo a janela do plugin) ou esperar o processamento. Ao forçar a saída não perdi o trabalho: apenas a parte referente ao plugin fechou.
  • Filtros / Efeitos: grande quantidade e são muito bons. Ainda não experimentei nem 50%, mas pelo visto supera os do PS.
  • Sistema: muito leve. Dispensa uma super-máquina. No entanto alguns plugins demandam um processamento grande.

Há outras característas boas e outras ruins, ao meu ver. Porém, “malhar” o programa demais é injustiço, visto que se trata de um opensource de uso gratuito. Acredito que se trata de uma boa solução para o caso de alternativas aos programas proprietários.