Recentemente eu comprei um tablet. Um daqueles chineses, não muito bem acabado, mas funciona. Virou rapidamente uma companhia inseparável: acesso a web, jogo games, mando e-mails… e também me fez voltar a ler mais.

Eu já era cliente da Amazon. Passei a ser também da Google Play Livros. E uma coisa me chamou a atenção em ambas: o preço dos ebooks não estão tão reduzidos em comparação ao mesmo em versão impressa. Claro que muitos best-sellers estão bem reduzidos, mas tenho me deparado com casos de livros com preços esdrúxulos.

Ora, como é que um livro digital, que não precisa ser impresso, pode custar tanto como um livro impresso? Ao que parece, ninguém sabe explicar o porquê.

Eu ponho a culpa no “lucro Brasil”. Essa cultura nossa de querer focar os ganhos no lucro (vendendo pouco mas tendo preço alto) em detrimento do ganho em escala (vendendo em grandes quantidades com margens de lucro pequenas). É o caso dos carros no Brasil, por exemplo: em qualquer outro país sério você compra modelos mais sofisticados por preço de carro “popular” daqui, tendo como uma das causas o fato do brasileiro pagar mais por simples desinformação ou para ostentar (seja esse “ostentar” andar de Honda achando que é Mercedes).

No caso dos ebooks, o que parece é que em vez de tentarem tirar proveito dos baixos custos – afinal, deixar um arquivo num servidor é infinitamente mais barato que um livro físico – as lojas daqui estão conscientes que vão vender pouco antes mesmo do público chegar. Algo como: “ah, venderá pouco mesmo, põe o preço lá no alto, o que vier é lucro”.

Não sei se essa minha opinião é certeira, mas é uma pena que isso ocorra, pois é sabido que nosso livro impresso é caro para o padrão brasileiro (mesmo livre de impostos) e o mercado digital seria uma alternativa por produtos mais baratos. O que, infelizmente, ainda não aconteceu.