Você vai à caça de notícias ou de um blog bacana. E logo pipocam as caixas pedindo para enviar notificações. Não, não e não. Ou então um paywall: assine nosso jornal, só R$ 1,99 por mês, jornalismo de qualidade. Clica no X para fechar.

Quando não, um popup com propaganda de carro. Ou um box de assinatura de newsletter. Coloque o seu e-mail e receba novidades e promoções.

Trocentos banners de propaganda enquanto se rola o texto. É preciso: O AdSense paga pouco. Volume é necessário.

Polêmicas inventadas, fake news, “problematização” do nada – clickbaiting, volume de tráfego para ganhar com propaganda.

No YouTube, espécimes de todos os tipos querem sua atenção: linchadores virtuais, polemistas, gente fazendo as coisas mais estapafúrdias para obter cliques. O importante é “bombar na Web”.

Caso William Waack e a fúria das redes sociais

Não vai clicar?

Abrimos as redes sociais (que na realidade são antissociais) e nos deparamos com linchamentos de pessoas públicas, demonstrações de indignação seletiva, demonstrações falsas de superioridade moral…

Fotos de felicidade, pessoas posando como se fossem celebridades, querendo (ou precisando) de atenção, aparentando estar felizes (sendo que se você precisa aparentar é porque você realmente não está feliz.)

A internet está chata.