Caixas de comentários de portais blogs sites - comentaristas

Caixas de comentários. Elas surgiram com os blogs, e hoje estão espalhadas por toda a internet. O motor que fez o Facebook crescer foi a caixa de comentários, disponível em todo o post na rede e que alimenta discussões que fazem o povo voltar e voltar, gerando visitas para a rede social.

Hoje a seção mais movimentada é a caixa de comentários. As pessoas vão à ela sem mesmo ler a notícia. O importante é opinar…

Muitos comentários numa caixa apontam a popularidade de um site/serviço Web. Tanto que uma tática fajuta para sites recém-lançados por startups é de publicar comentários de perfis fakes, a fim de parecer um serviço movimentado e pontuar bem no Google. (Essa estratégia foi alinhavada no livro “Traction“, de Gabriel Weinberg.)

Em “A Rebelião das Massas” o filósofo Ortega y Gasset já fazia apontamentos sobre a ascensão da massa – o homem-massa. Ele é fruto direto da melhoria das condições de vida ao longo do tempo. E, apesar de tudo isso, ele não se dá por satisfeito e, como um menino mimado (señorito satisfecho), ele se sente no direito de tentar mudar as coisas como lhe bem entende.

O “homem médio” que habita as caixas de comentários quer a todo custo atenção e vencer a discussão. Para isso recorre ao Caps Lock, se necessário. Quando não aos xingamentos.

Mas mesmo quem não comenta corre para o fim da página para ler os comentários. Por que fazemos isso?

Arrisco dizer que, como acabamos desenvolvendo opinião sobre tudo, desejamos encontrar pessoas que pensam como nós. A solidão muitas vezes é humilhante; somos seres sociais. A disputa entre opiniões contrárias… parece um jogo de futebol que podemos participar usando o teclado. Encontrar alguém que pensa como nós, a despeito do que pensa o autor do texto, nos traz uma sensação de comunhão. Acaba sendo um júbilo virtual. Mesmo que só dure até a próxima página e sua nova caixa de comentários…